Procurador do STJD refuta declaração oficial do Atlético sobre Hulk

Hulk
foto: Alexandre Guzanshe/EM/DA Press

Hulk alvo do STJD por falta grave contra o Coritiba, em duelo pelo Campeonato Brasileiro

A Procuradoria do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) rebateu a Nota oficial do Atlético sobre a denúncia contra Hulk. O atacante do Galo será julgado no dia 18 de maio por falta grave contra o Coritiba, em duelo pela 3ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro.

Na ocasião, o atacante aplicou um chute no volante Willian Farias, aos 22 minutos do segundo tempo, após perder a bola no meio-campo. Foi amarelado pelo árbitro Svio Pereira Sampaio, que destacou no resumo do jogo: “Entrada contra um adversário de forma imprudente na disputa da bola”.

“É inadmissível que a Procuradoria do STJD, que deveria zelar pela isenção e imparcialidade, tenha feito o papel de fazer tal denúncia, oferecida pelo senhor Rafael Bozzano, claramente motivada pelo desejo de prejudicar o Clube Atlético Mineiro”, lamentou o clube. .

“Cartão vermelho, 25 jogos de suspensão… e direto para a delegacia por agressão HAHAHAHAHAHA ahhhhh, matérias em todos os portais esportivos e um programa só pra falar disso, e ganharam o Ibope (sic)”, postou o atacante, em resposta a um seguidor.

Fotos do Manto de Massa III, do Atlântico


Na visão da equipe mineira, a publicação de Gabigol motivou a denúncia do STJD. “É inadmissível que uma postagem infeliz de um atleta rival, em uma rede social, possa levar a uma denúncia por parte de um procurador do STJD”, lê-se parte da nota.

O clube também afirma que a proposta foi analisada pelo videoárbitro (VAR) e lamentou o fato de o órgão não ter tido “o mesmo interesse e agilidade” quando o ônibus com a delegação alvinegra foi apedrejado em Curitiba, na decisão do Copa do Brasil. Brasil, contra o Atlético-PR.

Por fim, Galo diz que “não aceitará iniciativas bizarras como estas e fará o possível para revertê-las, bem como evitar que motivações pessoais voltem a manchar as competições nacionais”.

Acusado de “agressão física”, Hulk pode ser fisgado de 4 a 12 jogos de suspensão se for condenado. A sessão de julgamento acontecerá na terceira comissão disciplinar do STJD, no Rio de Janeiro, às 10h do dia 18 de maio (uma quarta-feira).


Hulk pode ser absolvido, receber punição leve ou, na pior das hipóteses, cumprir uma longa suspensão. Independentemente da decisão judicial, o Atlético pode recorrer ao Plenário do STJD.

Em nota, a Procuradoria do órgão garante independência e autonomia, sem denúncias motivadas por “postagem de atleta rival” ou “com desejo de prejudicar um clube”. O documento destaca ainda que a denúncia se baseia em “provas de vídeo veiculado na mídia”.

O Ministério Público do STJD também “lamenta e repudia” a atitude do Atlético, que, em nota, cita o nome do procurador. “Jogá-lo à multidão, que é conhecido por ser um ato perigoso e prejudicial”, lê-se no documento.

Nota oficial do Ministério Público do STJD em resposta ao Atlético

A Procuradoria Geral do Superior Tribunal de Justiça do Esporte, por meio de sua Procuradoria Geral da República, se manifesta sobre a nota emitida pelo Clube Atlético Mineiro, na qual se diz perplexa com a denúncia apresentada contra seu atleta “HULK”.

Ressalte-se que a Procuradoria do STJD é um órgão independente e autônomo, e suas denúncias são fundamentadas na lei ou na CBJD, nunca motivadas por postagem de atleta rival ou com desejo de prejudicar alguém ou algum clube.

A denúncia é pautada e fundamentada pelas provas em vídeo veiculadas na mídia, que demonstram claramente os fatos ocorridos, conforme previsão legal (parágrafo único do artigo 58-B do CBJD).

Por sua vez, a denúncia não é uma punição sumária, pois o atleta terá o direito de se defender, valendo-se de seu direito constitucional de ampla defesa e contraditório, e se a denúncia for tão absurda quanto diz o clube, basta demonstrá-la. em julgamento.

O fato de o árbitro ter analisado os lances em campo e aplicado a punição com cartão amarelo não impede que o Procurador faça uma denúncia por possível infração disciplinar, pois o árbitro analisa as regras do futebol de campo, ele é o primeiro sancionador, e a infração disciplinar por conduta antidesportiva deverá ser analisada pelo Tribunal Desportivo. Portanto, se o Ministério Público entender que houve infração disciplinar, será obrigado a apresentar queixa, obrigação legal do órgão.

Como exemplo, podemos citar casos em que atletas são expulsos com cartão vermelho, e depois absolvidos no Tribunal, o que, por si só, demonstra que a punição aplicada em campo pelo árbitro de futebol não se confunde com a infração disciplinar analisada por a quadra de esportes.

No que diz respeito à questão do apedrejamento do ônibus CA Mineiro, esta ocorreu em via pública, mas fora da jurisdição da Corte Desportiva.

Por fim, o Ministério Público lamenta e repudia a atitude do Clube Atlético Mineiro, que não identifica o autor de sua nota, mas cita o nome do Ministério Público, jogando-o à multidão, o que é sabidamente um ato perigoso e nocivo.

Com os melhores cumprimentos,

Ronaldo Botelho Piacente

Procurador-Geral do STJD“.

Veja, na íntegra, a nota do Atlético

O Atlético recebeu com perplexidade a notícia de que o atleta Hulk será julgado pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), pela candidatura que aconteceu na partida contra o Coritiba, pela 3ª rodada do Campeonato Brasileiro.

É inadmissível que o Ministério Público do STJD, que deve zelar pela isenção e imparcialidade, tenha se prestado ao papel de fazer tal denúncia, oferecida pelo Sr. Rafael Bozzano, claramente motivada pelo desejo de prejudicar o Clube Atlético Mineiro.

É inadmissível que uma postagem infeliz de um atleta rival, em uma rede social, possa levar a uma denúncia por parte de um procurador do STJD.


A denúncia já seria absurda em qualquer qualificação, quanto mais agressão física. Em campo, mesmo com a presença de um vídeo-árbitro, o lance foi analisado e o jogador foi punido com cartão amarelo.

Aliás, o mesmo interesse e agilidade não foram vistos quando o ônibus do Atlético foi apedrejado em Curitiba, na decisão da Copa do Brasil, em dezembro de 2021 (fato gravíssimo e de pleno conhecimento da Procuradoria do STJD), quando o órgão, por motivos inexplicáveis, ele simplesmente perdeu o prazo para apresentar a reclamação.

O Atlético não aceitará iniciativas bizarras como essas e fará o possível para revertê-las, além de evitar que motivações pessoais manchem novamente as competições nacionais.“.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.