Por que a moeda russa é mais valorizada do que antes da guerra?

O presidente russo, Vladimir Putin, admitiu repetidamente que as sanções impostas pelo Ocidente estavam criando dificuldades significativas.

O presidente russo, Vladimir Putin, admitiu repetidamente que as sanções impostas pelo Ocidente estavam criando dificuldades significativas.| Foto: EFE/EPA/SERGEI GUNEYEV/SPUTNIK/KREMLIN POOL/POOL

Apesar das sanções impostas pelo Ocidente à Rússia, o rublo nesta semana registrou sua maior valorização em relação ao dólar desde 2020. A moeda russa ainda atingiu uma alta de 11% em relação à moeda americana de janeiro a abril. Mas é possível que o saldo seja favorável para os russos por um curto período de tempo.

O assunto gerou polêmica na política europeia. Jordan Bardela, Presidente interino do partido conservador francês Rassemblement National, ele disse que as sanções econômicas foram “um grande erro”.

“Eles estão enriquecendo massivamente a Rússia, que está lucrando com esta guerra, está fazendo hiperlucros. Os embargos causaram uma explosão nos preços dos combustíveis”, destacou Bardella.

Governo russo tomou medidas para defender o rublo

Ironicamente, as sanções podem ter contribuído temporariamente para a valorização da moeda russa. Isso porque, para proteger o rublo, o Kremlin impôs altas taxas de juros ao Banco Central, obrigou os exportadores a vender divisas e exigiu que o gás natural fosse vendido em rublos.

Como prova de que a economia russa está indo bem, após o aumento da taxa de juros, o Banco Central da Rússia anunciou a segunda queda em menos de um mês. No comunicado, o banco refere que “os riscos para os preços e para a estabilidade financeira deixaram de aumentar, criando as condições para uma redução da taxa directora”. A nota enviada à imprensa descreve ainda que “o abrandamento da inflação deve-se em grande medida ao fortalecimento do rublo e à diminuição do consumo”.

Em anúncios oficiais, o presidente russo Vladimir Putin admitiu repetidamente que as sanções impostas pelo Ocidente estavam criando dificuldades significativas. Mas também ousou dizer que aproveitou a oportunidade para reconstruir e diversificar a economia. A Rússia estaria aumentando as exportações para o Egito e a Índia.

Com a alta dos preços do petróleo, gás natural e carvão, o Kremlin ainda obteve ganhos bilionários mesmo com o que exportou nos últimos meses para a União Europeia. De acordo com o Centro de Pesquisa em Energia e Ar Limpo, um think tank da Finlândia, o ganho total russo com as exportações foi de 63 bilhões de euros durante os primeiros dois meses do conflito na Ucrânia. E 71% desse valor veio da União Europeia: os países europeus gastaram quase o dobro em 2022 do que no mesmo período do ano passado.

O bom tempo russo não deve durar

A onda de valorização do rublo, no entanto, pode estar com os dias contados. De acordo com Fundo Monetário Internacional (FMI)“Espera-se que sanções e incertezas sem precedentes afetem fortemente o investimento e as exportações, bem como deprimam as importações e o consumo privado na Rússia”.

Além disso, o relatório do FMI destaca que o desejo europeu de se livrar dos hidrocarbonetos russos até 2027 pode eliminar 60-70% da demanda atual por petróleo e gás natural russos nos próximos anos.

Os indicadores econômicos também contradizem a tese de que a Rússia pode, a longo prazo, enriquecer com a guerra. O Produto Interno Bruto (PIB) deverá cair este ano, com projeções oscilando entre -8%, segundo o Banco Central da Rússia, e -10%, segundo o Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento (BERD). Ao mesmo tempo, a inflação deverá saltar mais de 20%.

As altas taxas de juros nos bancos russos também tendem a limitar os investimentos das empresas russas. Como resultado, as estratégias de Putin podem começar a falhar e o bom momento do rublo não deve durar muito.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.