Para evitar multas, mulher faz festa ‘solteira’ após término do noivado | Paraná

Após o término de um relacionamento de 13 anos, a servidora Kallynca Carvalho dos Santos enfrentou um problema: a festa de noivado que estava marcada. Com contratos firmados com empresas de eventos, ela decidiu fazer uma festa de “descasamento” para fugir das multas rescisórias.

residente de Curitiba, a jovem de 29 anos disse que até tentou cancelar os serviços contratados, mas que as multas a fizeram mudar de ideia. Com isso, ela decidiu fazer uma festa à fantasia, com convites à venda por R$ 200.

Ela preferiu não revelar qual seria o dano total. Mas ela disse ao g1 que, de acordo com o contrato, ele teria que pagar multa de 40% do valor total, além de arcar com “despesas, honorários profissionais, honorários administrativos, lucros cessantes, perdas e danos, custas e despesas já firmadas” pelo execução dos serviços contratados.

O noivado terminou sete meses antes da data marcada para o casamento, marcado para 21 de maio. Ao todo, 200 pessoas foram convidadas para a festa, que seria em um salão que simula um castelo, em colombona região metropolitana de Curitiba.

Após dois anos de restrições causadas pela pandemia, o setor de eventos vive um período de recuperação e planeja retornar – ou superar – nos próximos meses os níveis de antes da crise sanitária. (leia mais abaixo).

Kallynca contou que, desde pequena, sonhava com o próprio casamento, com esse dia tão especial. A reserva do castelo foi uma surpresa dada a ela por sua mãe e seu avô.

“Meu avô me criou e ele e minha mãe queriam me fazer um dia de princesa. Minha mãe me disse que os dois conseguiram realizar meu sonho. Logo depois, meu avô faleceu. compartilhar isso feliz com ele”, disse ele.

O funcionário público começou a planejar os outros detalhes da cerimônia. Mas com o passar do tempo, surgiram algumas dúvidas sobre o relacionamento. A jovem nem experimentou o vestido de noiva.

“Foi uma época em que crescemos juntos. Foi uma separação tranquila, concordamos que não estávamos mais funcionando como um casal. Não é fácil no momento, mas chegamos a um consenso juntos”, disse ele.

A servidora Kallynca dos Santos manteve a festa de casamento mesmo com o fim do noivado — Foto: Arquivo pessoal

Após a separação, Kallynca começou a cancelar tudo o que estava programado. A surpresa veio quando ela foi informada da multa do local onde seria realizada a festa.

Ao saber dos valores, a mãe da jovem sugeriu manter o evento. Os dois então decidiu fazer uma festa a fantasia.

Ex-noiva conta como surgiu a ideia da festa 'solteira'

Ex-noiva conta como surgiu a ideia da festa ‘solteira’

A festa terá jantar, bebidas, além de uma refeição noturna. Cada convite custa R$ 200.

Até agora, dos 200 convites disponíveis, 50 foram vendidos. Kallynca disse que foi um desafio organizar tudo, já que a produção do evento foi de última hora.

“Também tive que definir o valor do convite. Não era a parte do dinheiro em si, mas fiquei pensando que deixaria algo em aberto que meu avô deixou para mim. Não acho justo eles tentarem realizar um sonho meu e desisti”, disse.

Mesmo com todo o trabalho, ela acredita que realizar a festa se tornou um marco em sua vida.

“Desde o momento que tomei essa decisão, foi engraçado como muitas coisas mudaram na minha vida, no sentido de que sempre fiz tudo me preocupando com o que iriam encontrar. Quando enviei minha mensagem de despedida, foi muito engraçado como eu… começou a conhecer as histórias de outras mulheres. Que seja um ponto de virada. Temos que aproveitar isso”, disse.

Kallynca (de óculos) com seus dois irmãos e sua mãe (foto à direita) — Foto: Arquivo pessoal

A Associação Brasileira de Promotores de Eventos (Abrape) disse esperar que, nos próximos meses, os números do setor de eventos, cultura e entretenimento voltem ao patamar pré-pandemia.

Nos últimos dois anos, a entidade calcula que 98% dos eventos no país foram impactados pela pandemia.

Para que haja recuperação, projeta a Abrape, o setor precisa movimentar cerca de R$ 355 bilhões até 2023.

Segundo a associação, o setor de eventos é responsável por 4,3% do PIB nacional, movimentando mais de R$ 270 bilhões por ano.

VÍDEOS: mais assistidos no g1 PR

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.