Metallica em BH: banda lava a alma dos fãs em apresentação histórica

Foram cerca de três anos de espera, desde o anúncio da vinda do Metallica para BH, o início da venda de ingressos e… a maior crise sanitária dos nossos tempos, bem no meio do caminho, interrompendo uma grande expectativa de milhares de fãs . .

Mas esta noite de quinta-feira foi para lavar a alma. No maior palco esportivo de Minas Gerais, James Hetfield, Lars Ulrich, Kirk Hammet e Robert Trujillo entraram em campo e, como se espera de um grande time, fizeram gols. Valeu a pena a espera.

Com a casa cheia, o Metallica passou duas horas entorpecendo a plateia. O relógio bateu 21h13 quando as luzes do mineirão se apagaram. Chegou a hora do tão esperado encontro.

A introdução de “Ecstasy of Gold”, clássico de Ennio Morricone, bastou para a faixa de faroeste “Three Men in Conflict”, que todos ali já conheciam… Começou.

E o primeiro hit da noite veio com “Hardwired”, do álbum “Hardwired…to Self destroy”. Na sequência, acertos! “Ride the Lightning”, homônimo ao clássico álbum do Metallica, alterou o que seria o primeiro do setlist que privilegiaria um dos grandes álbuns do heavy metal.

Sim, “Ride the Lightning” guiou a performance do quarteto. Além dela, “Fade to Black”, “Por quem os sinos dobram”, Creeping Death” e “Fight Fire With Fire” – essa talvez a maior surpresa da noite – surpreenderam as 54 mil pessoas presentes no Mineirão, segundo a organização. Full house, diriam os amantes do poker.

Se o icônico álbum de 1984 foi o hit da noite, o “Black Album” também marcou presença. Além das já esperadas “Sad But True”, “The Unforgiven”, “Nothing Else Matters” e “Enter Sandman” – fechando a batalha com o público em uníssono, bem ao lado da banda – “Wherever I May Roam” foi outra (gratidão) surpresa no palco.

Belo Horizontes e Belo Horizontes sabem muito bem que carregam o apelido de morar na capital do heavy metal. Bem então. O vocalista James Hetfield tentou confirmar a vocação mineira ao interagir com o público: “Aqui é a casa do Sepultura, não é?” É isso, e dê a ele “Procurar e Destruir” para atordoar o Mineirão. E viva os clássicos.

Falando em clássicos, “One” e “Master of Puppets” não poderiam faltar… e eles estavam lá. “Mestre”, aliás, é um dos que fizeram o Mineirão tremer. E se a apresentação também foi marcada por surpresas, “Cyanide” surpreendeu ao aparecer no setlist.

Hetfield no meio da noite

Um aspecto que ninguém pode negar é que o Metallica sabe entregar! Ao longo destes mais de 40 anos de estrada, a banda, é notória, tem energia.

Não foi diferente com os quase sessenta, especialmente Kirk Hammet e Robert Trujillo. Noite pesada do guitarrista e baixista.

O frontman deixou claro que não se sentia tão bem. Ele conversou com o público sobre seus sentimentos, ancorou-se no apoio dos parceiros de palco e logo foi acarinhado pelos companheiros – um abraço que o Mineirão tentou seguir.

Por outro lado, ele não deixou de interagir com os fãs. Até a jovem que deu à luz em Curitiba foi lembrada pelo vocalista. “Se alguém estiver grávida lá, por favor, tenham uma seção aqui para vocês”, brincou ela. E tinha mesmo, não o setor, mas as grávidas na plateia… Eu podia contar duas.

Nada que possa atrapalhar – nem mesmo diminuir – o tamanho que o Metallica significa no heavy metal e no coração de seus fãs. Certamente, Belo Horizonte ainda contará muito sobre este 12 de maio de 2022, uma noite de rock, em que nada mais importa.

Veja o setlist do show

“Com fio”

“Cavalgue o Relâmpago”

“Onde quer que eu possa vagar”

“Procurar e destruir”

“Mariposa em Chamas”

“Um”

“Triste mas verdadeiro”

“Cianeto”

“O imperdoável”

“Por quem os sinos dobram”

“Morte assustadora”

“Escurecer”

“Mestre dos Bonecos”

Bis

“Combater fogo com fogo”

“Nada mais importa”

“Entra Sandman”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.