Crash de criptomoedas chama atenção de legisladores, que pedem regulamentação global

A volatilidade exibida pelas criptomoedas esta semana está chamando a atenção de legisladores em todo o mundo. Além de EUA debatendo stablecoinsAshley Alder, CEO da Securities and Futures Commission (SFC) de Hong Kong, e Philip Middleton, Presidente do OMFIF (Fórum Oficial de Instituições Monetárias e Financeiras) também debatido o tema, pedindo regulamentação global.

Na conversa, Alder destacou que os três principais focos no mundo envolvem os 3 C’s: Covid-19, Clima e Criptomoedas. Um destaque de seus discursos é a cooperação em tais temas, enquanto os dois primeiros têm um alinhamento global, o debate sobre criptomoedas ainda está em níveis diferentes em cada país.

Como exemplo, a China baniu o Bitcoin, El Salvador o adotou como moeda legal, os EUA estão focados apenas em stablecoins e outros países nem discutem o assunto. Portanto, o discurso do CEO da SFC é um apelo a uma abordagem global das criptomoedas.

Cooperação global em criptomoedas

Embora o Bitcoin exista desde 2009, é apenas nos últimos anos que os legisladores prestaram atenção a ele. Na verdade, o foco principal são as criptomoedas em geral, que incluem muitas diferenças entre elas, criando uma ampla gama de casos de uso.

Embora seja uma tarefa difícil classificar e lidar com cada um deles em nível local, especialmente diante do surgimento de novos usos, como é o caso dos NFTs, alguns legisladores estão buscando uma cooperação global sobre o tema.

Em conversa publicada nesta quinta-feira (12), Ashley Alder, CEO da Securities and Futures Commission (SFC) de Hong Kong, inclusive destacou que as criptomoedas são um dos principais temas a serem debatidos no momento. Ao seu lado estaria o Covid-19 e as questões ambientais.

“Existem abordagens diferentes em lugares diferentes, […]é interessante se você comparar as criptomoedas com a conversa internacional e a cooperação em torno delas com o financiamento climático.”disse Ashley Alder, CEO da SFC Hong Kong. “O financiamento climático está muito à frente, há muitos esforços internacionais, seja com o ISSB, a Plataforma Internacional, o G20, etc.”

“Não há nada assim para criptomoedas agora”

Indo além, Alder destacou que no momento não existem órgãos especializados em criptomoedas. Afinal, os órgãos governamentais não acompanharam essa evolução, deixando muitas lacunas para esses novos ativos que nem sequer possuem uma classificação adequada.

“A CVM lida apenas com títulos e a maioria dos criptoativos não são títulos. Bitcoin não é uma segurança, então agora estamos no processo de aprovar uma legislação para resolver isso.”

Por fim, o CEO da SFC também menciona o metaverso. Este é mais um desafio para os legisladores, pois é um ambiente totalmente novo, permitindo a criação de um mundo financeiro paralelo. Afastando-se dos atuais sistemas bancários e fiduciários com os quais estão acostumados a lidar.

Criptomoedas, stablecoins, metaverso, muito trabalho pela frente

Portanto, enquanto Janet Yellen discute o impacto das stablecoins na estabilidade financeira dos EUA, outros estão preocupados com o Bitcoin e outros com a economia do metaverso. Além disso, podemos esperar que mais modelos monetários surjam devido à liberdade do mundo das criptomoedas.

Assim, além da difícil tarefa de chegar a um acordo global sobre como lidar com as criptomoedas, esses legisladores terão que trabalhar muito para acompanhar o tema. O mínimo que podemos esperar é mais tributação e burocracia, como sempre.

A conversa entre Ashley Alder e Philip Middleton, publicada no canal OMFIF, está disponível na íntegra abaixo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.