Ativista lamenta ataques homofóbicos após campanha: “Ninguém quer morrer”

postado em 12/05/2022 19:45 / atualizado em 12/05/2022 20:22

Murilo e Diego Xavier protagonizaram campanha para a Volkswagen que foi alvo de comentários homofóbicos - (Crédito: Reprodução/Instagram)


Murilo e Diego Xavier protagonizaram campanha para a Volkswagen que foi alvo de comentários homofóbicos – (Crédito: Reprodução/Instagram)

ataques homofóbico e ameaças à família fazem parte da rotina do casal Murilo e Diego Xavier desde a última sexta-feira (5/6), quando uma peça publicitária em que protagonizam o lançamento de um novo carro da Volkswagen foi publicada nos perfis oficiais da a montadora na Internet.

Na imagem, o casal está se abraçando e aparece em primeiro plano. Atrás deles está a nova edição do Polo. Na legenda do post, a marca falou sobre evolução. “Sabe o que evoluiu junto com você? O pólo. O que já era bom ficou ainda melhor.”

Em pouco tempo, o post foi inundado com comentários homofóbicos e desaprovadores. Só no Facebook, a matéria registrou 25 mil comentários, entre apoiadores e pessoas que reclamaram do casal na campanha.

O jornalista e ativista LGBTQIA+ Diego Xavier diz que os ataques causaram momentos de tensão na família. É a segunda vez que a campanha que os dois protagonizam é ​​comandada pela Volkswagen e, em ambas, eles receberam comentários homofóbicos.

Os ataques, no entanto, não se limitaram apenas aos dois. “A primeira vez, esse movimento era só na internet, mas agora abusaram: foram atrás dos meus irmãos e sobrinhos, que não têm nada a ver com isso. Sou um exemplo de pessoas LGBT que tiveram que sair do campo para vivenciar plenamente sua sexualidade na capital”, disse o jornalista e ativista LGBTQIA+ Diego Xavier ao portal. Carros UOL. O homem saiu de Cambé (PR), onde mora a família, para morar na capital paranaense, em Curitiba.

Murilo e Diego gravaram a campanha, inicialmente, para ir ao ar apenas em junho de 2021, durante o Mês da Visibilidade LGBTQIA+. No entanto, a Volkswagen usou a imagem dos dois também fora desse período. Diego diz que vê a inclusão deles em outras peças ao longo do ano como um compromisso da marca com a causa, mas que não quer ser um “mártir”.

“Nesta data [junho], todas as empresas fazem ações, então todo mundo é um pouco mais amigo da causa, as propagandas não geram tanto impacto. Essa continuidade mostra ainda um maior comprometimento por parte da marca”, afirma.

“O saldo é positivo, é uma questão de representatividade, de mostrar que o público (gay) também paga impostos e é consumidor. Mas eu não quero ser um mártir. Ninguém quer morrer. Os ataques são preocupantes”, desabafa.

Volkswagen diz que ‘comentários ofensivos e desrespeitosos’ serão apagados

Ao Correspondência, a Volkswagen afirmou que se comprometeu a “contribuir para o combate a qualquer forma de preconceito”. “A diferença enriquece, o respeito une. A Volkswagen do Brasil celebra a diversidade de identidade sexual e de gênero. Promover a diversidade e a inclusão é um dos pilares estratégicos da marca. empresa, com parceiros comerciais diretos ou indiretos”, escreveram em nota.

A montadora disse que, no caso de Murilo e Diego, “comentários ofensivos e desrespeitosos são devidamente apagados de nossas páginas”. A Volkswagen diz ainda que tem feito um esforço para desenvolver debates com os colaboradores sobre diversidade e inclusão, inclusive por meio do lançamento de uma cartilha sobre o assunto, distribuída para “toda a sua cadeia de fornecedores e rede de concessionárias no Brasil”.

“Consideramos essencial conciliar as diferenças para a construção de uma sociedade justa para todos”, conclui a montadora.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.