Análise: Atlético-MG e torcida jogam juntos em uma noite de solidez defensiva e vitória madura | atlético-mg

A Atlético-MG venceu novamente o Campeonato Brasileiro, injetando mais ânimo em todos os “departamentos”. Para os jogadores, o triunfo por 2 a 0 sobre o Atlético-GO é a confirmação da evolução iniciada contra o Bragantino. Para os torcedores, o resultado de uma vibração passada das arquibancadas para o campo.

O atual campeão de pontos consecutivos fez força em casa e também o poderoso time titular, praticamente o mesmo que levantou a caneca em 2021. A ausência de Diego Costa já é coisa do passado. E Mariano foi substituído na época por Guga. Há uma preocupação com o Keno.

O extremo esquerdo, que saiu com dores na coxa direita, foi quem iniciou a jogada para o primeiro golo. O Atlético levou um susto no início da partida, mas logo assumiu totalmente as rédeas do confronto. Turco Mohamed disse ao time para apertar a bola. Matías Zaracho, no meio-campo direito, mostrou crescimento, mas ainda procura ser aquele jogador essencial do ano passado.

Hulk abraça Nacho após o segundo gol do Atlético contra o Atlético-GO – Foto: Pedro Souza/Atlético-MG

Todos, de fato, ainda podem atingir um nível superior. O artilheiro Hulk, que marcou seu 16º gol, o segundo de Galo na partida, tem lastro para evoluir. Destaque para a dupla de zagueiros, que foi a melhor do Brasil em 2021, e que teve uma noite das melhores lembranças do ano passado. Praticamente não errou.

No meio-campo, Jair também foi outro. Mais atento, intenso, quase fez um belo gol na área que é sua força escondida. Para completar, Nacho e Allan dispensam notas. São motores, nas fases ofensiva e defensiva, respectivamente.

O segundo gol do Atlético veio logo após uma boa chance de Hulk e, com Nacho livre, avançou a bola e saiu do ângulo. A torcida se levantou, aplaudiu, cantou e, logo em seguida, o camisa 7 marcou o gol na assistência de Nacho, quando Galo encostou-se ao Dragão na defesa e teve superioridade numérica para recuperar a bola.

Na fase final, houve uma desaceleração antes do segundo gol. O próprio treinador Mohamed alertou para isso. O Atlético tentou morder cada vez mais, e, subindo de linha, passou a dar espaços entre os meio-campistas e a defesa, com o time goianiense encostado nas laterais. Situação de risco. Mas isso praticamente não prejudicou Everson.

“Está tudo normal no Independência”, diz Carol | A voz da multidão

Talvez o maior desafio para Turco seja desenhar essa equipe do Atlético sem o Keno, que provavelmente estará ausente (será avaliado nesta segunda-feira). Eduardo Vargas seria o substituto, mas está no DM. No jogo de sábado, Nacho e Zaracho foram para o setor, depois Rubens. Ademir, embora canhoto, é um ponta-direita que tem o pé trocado como arma (assim como o próprio Keno).

Quem vai preencher a vaga? Na quinta-feira, o Atlético tem Del Valle pela Copa Libertadores, e Turco Mohamed dará sua resposta em um jogo que pode dar ao Galo classificação antecipada para as oitavas de final, antes de enfrentar o Brasiliense no próximo domingo, pela terceira fase da Copa do Brasil.

Assista: tudo sobre Atlético na ge, na Globo e na Sportv

A podcast ge atlético está disponível nas seguintes plataformas:

Galo na Veia – Programa de Sócios do Atlético-MG — Foto: Divulgação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.